Hiroshima, 6 de agosto de 1945…

Standard

Por Cláudia Gregório

Uma data que deveria ser apagada, porém nunca poderá ser esquecida.

Há 65 anos o homem cometia uma das maiores atrocidades: o ataque atômico que devastou a cidade de Hiroshima em 1945.

Um ato de covardia que nenhum argumento explica.

Hoje, milhares de lanternas de papel foram lançadas no rio Motoyasu para lembrar as 140 mil vítimas mortas no ataque. A tragédia devastou a cidade japonesa no final da segunda guerra mundial.

E pela primeira vez, nesses 65 anos, os Estados Unidos enviam representantes para participar do evento.

Fico me imaginando no lugar de um desses representantes. Como conseguiria olhar aquele povo? Encarar sobreviventes, familiares das vítimas, um povo marcado pelo horror. Sabendo que foi o meu país, o responsável pelo bombardeio atômico. Não só em Hiroshima, mas também em Nagasaki, outra cidade japonesa devastada três dias depois. Em Nagazaki, 70 mil morreram.

Assim como os EUA, França e Grã-Bretanha (aliados dos americanos na guerra) enviaram também representantes. Agora todos são aliados do desarmamento nuclear mundial.

Veja a reportagem Agence France-Presse (AFP)  publicada em últimas notícias UOL

http://migre.me/12S14 

HIROSHIMA, Japão, 6 Ago 2010 (AFP) -Os Estados Unidos enviaram nesta sexta-feira, pela primeira vez, representantes oficiais à cerimônia de recordação do primeiro bombardeio atômico, realizado em 1945 por sua aviação contra a cidade japonesa de Hiroshima, no qual morreram 140.000 pessoas.

Os representantes de mais de 70 países estavam presentes junto a milhares de pessoas que compareceram para assistir ao emotivo evento no Memorial da Paz, realizado sob um céu azul similar ao que havia na manhã de 6 de agosto de 1945 antes que Hiroshima se transformasse num inferno.

França e Grã-Bretanha, aliados dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, também enviaram pela primeira vez desde a capitulação do Japão em agosto de 1945 representantes à cidade mártir, um gesto de apoio ao movimento em favor do desarmamento nuclear mundial.

O Japão, o único país a ter sido bombardeado em duas ocasiões com armas nucleares – em 6 de agosto de 1945 em Hiroshima e em 9 de agosto de 1945 em Nagasaki – reclama há anos a eliminação de todas as armas de destruição em massa.

Os Estados Unidos, que sempre afirmaram que estes bombardeios foram necessários para encurtar a guerra, jamais se desculparam pelas 210.000 vítimas, em sua maioria civis, que morreram tanto pela ação direta das bombas quanto pelas radiações e queimaduras que provocaram.

“A raça humana não deve repetir o horror e os sofrimentos causados pelas armas atômicas”, declarou o primeiro-ministro japonês Naoto Kan em um discurso.

“O Japão, única nação vítima de bombardeios atômicos em tempos de guerra, tem uma responsabilidade moral de encabeçar o combate pela construção de um mundo sem armas nucleares”, acrescentou.

Os Estados Unidos estavam representados por seu embaixador no Japão, John Roos, que depositou uma coroa de flores em memória “de todas as vítimas da Segunda Guerra Mundial”, uma presença que também reflete o apoio do presidente Barack Obama em favor da desnuclearização.

“Pelo bem das gerações futuras, devemos continuar trabalhando juntos para realizar um mundo sem armas nucleares”, declarou Roos em um comunicado.

……………….

É o que todos queremos e esperamos: PAZ.

Amém.

About these ads

2 responses »

  1. Gosto do seu ‘post’. O projeto que levou ao fabrico da bomba tinha o nome de ‘Manhattan Project’. Daó o neologismo Manhattanicínio. O meu nome é Armando Macatrão e sou de Portugal. Eis um poema meu, escrito em 1989, publicado no livro de poesia intitulado ‘O Vazio do Nada':

    Indiscriminada…
    ilógica-fabricada-bélica-premeditada…
    escaldante-tenebrosa-estrondosa-ofuscante…
    __ na tarde de 6 de Agosto de 1945,
    depois de Cristo,
    sorrateiramente,
    a vergonha da Humanidade __
    eternamente pendente,
    pavorosa e angustiadamente relembrada,
    eclodiu
    louca-caótica-radiativa…
    sobre
    140 000 e tantos gritos aflitos
    de… dor…
    da cidade
    de… Hiroshima………………………………….

    três dias depois…
    horrendo, o… …Manhattanicínio
    repetiu-se.

  2. Gosto do seu ‘post’. O projeto que levou ao fabrico da bomba tinha o nome de ‘Manhattan Project’. Daí o neologismo Manhattanicínio. O meu nome é Armando Macatrão e sou de Portugal. Eis um poema meu, escrito em 1989, publicado no livro de poesia intitulado ‘O Vazio do Nada':

    Indiscriminada…
    ilógica-fabricada-bélica-premeditada…
    escaldante-tenebrosa-estrondosa-ofuscante…
    __ na tarde de 6 de Agosto de 1945,
    depois de Cristo,
    sorrateiramente,
    a vergonha da Humanidade __
    eternamente pendente,
    pavorosa e angustiadamente relembrada,
    eclodiu
    louca-caótica-radiativa…
    sobre
    140 000 e tantos gritos aflitos
    de… dor…
    da cidade
    de… Hiroshima………………………………….

    três dias depois…
    horrendo, o… …Manhattanicínio
    repetiu-se.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s